Servir ao Senhor, a melhor escolha

 
 

Pr. Thiago Soares da Rocha

Servir é a melhor escolha. Servir é a razão da nossa existência. Alguém já disse: Quem não nasce para servir, não serve para viver. Jesus nos ensinou a servir com seus ensinos. Disse melhor é dar do que receber. Jesus nos ensinou a servir não apenas com seu ensino, mas também com seu viver. Não veio para ser servido, mas para servir, e dar a sua vida em resgate de muitos (Mc 10.45).

É importante também que pensemos não apenas no serviço, mas a que deus estou servindo, ou melhor que “deus” quero servir? Pensemos um pouco sobre isso. Que deus as pessoas podem e estão servindo:

1. O deus tradicional!

O deus tradicional está representado pelo deus dos ancestrais que habitavam dalém do Eufrates. O deus tradicional é o deus que não é buscado, mas que se estabeleceu na religião dos ancestrais e é servido apenas por aceitação. O deus tradicional é frio. O deus tradicional é um deus que não foi experimentado.

Muitas pessoas servem a um deus familiar sem nenhuma experiência verdadeira com o Verdadeiro Deus. Não buscam a verdade, e quando a ouvem classificam-na como falsa. Mas qual é o Deus verdadeiro e qual o falso: O deus tradicional ou o Deus Vivo?

As pessoas que servem ao deus tradicional impõem os costumes do passado na conjuntura atual, sem ao menos consultar aquilo que chamam de “deus”. Neste deus nada deve mudar, tudo deve ser mantido intacto, mesmo que seja uma loucura. Este deus agrada muito as pessoas, pois mudanças incomodam, principalmente quando mostram ao indivíduo suas falhas e suas necessidades de mudanças. O deus tradicional não passa pelo crivo da razão. O deus tradicional não conquista, é imposto.

O deus tradicional é um deus distante, que está longe das necessidades do seu povo. Muitas pessoas não percebem a Presença de Deus porque estão servindo a um deus distante. O deus tradicional é um deus inoperante, que nada fez e nada faz por ninguém. Muitas pessoas não veem o céu visitando a terra, pois servem a um deus inoperante. O deus tradicional é um deus impessoal, é deus dos outros, não é o “meu Deus”, nunca tivemos um relacionamento pessoal, próximo, íntimo. Muitas pessoas servem a Deus, mas a distância, sem nenhuma intimidade. Pedro serviu a distância na crucificação (Mc 14.54), a consequência foi negar ao Senhor. Aqueles que seguem o mesmo caminho chegarão ao mesmo destino.

Alguém já disse que a tradição é a fé viva dos que já morreram e o tradicionalismo é a fé morta dos que ainda vivem. Muitos dizem ter fé, mas a fé que têm está morta, pois seu deus está morto. O deus tradicional é uma mentira, que deve dar lugar ao Deus Verdadeiro, o Deus Vivo.

2. O deus moderno!

O deus moderno era “moderno”, “novo” para os hebreus, que estavam numa nova terra, com novos costumes. Era o deus dos amorreus reverenciado pelos moradores da região. O deus moderno é um deus sempre novo, que apresenta e valoriza tudo que é novidade. É um contraste com Deus tradicional. Ambos são dois extremos de uma balança enganosa.

O deus moderno é o deus deste tempo, da chamada “pós-modernidade”, onde nem a razão nem a fé se tornam padrões absolutos. O deus moderno joga a água para fora da bacia, mas também o bebê. Se desfaz do que é supérfluo, mas também do que é essencial.

No deus moderno as mudanças são constantes e às vezes irracionais. Os sentimentos são o norte, a bússola direcionadora para a crença e a prática. O deus moderno sempre estará na moda e será sempre a opção da maioria. Servir a este deus é como servir a um sorvete, que no início é conciso e firme, mas depois se derrete e se esvai.

No mundo do deus moderno não há princípios como amor, fé, santidade, sabedoria e tudo que provém de Deus. Não há nem “Deus”, e nem Bíblia. Não há transformação e regeneração humana. O deus moderno se parece um pouco com o deus tradicional, pois também é um reflexo da imagem humana, ou seja, é um culto ao homem, não a Deus Verdadeiro, cujos ensinos voltarão para satisfazer a vontade do homem, pelo homem e para o homem.

O deus moderno não é pessoal, é uma energia, não é transcendente, mas inferior a criação, não é absoluto, mas relativo, cada um tem o seu. Pode ser confundido com os sentimentos e com as experiências místicas. O deus moderno não é Senhor, é o servo e propriedade dos homens para dar-lhes um bem-estar. O deus moderno não é “Deus” é um senso comum que deve dar lugar ao Criador e Salvador da humanidade. Para quem deseja abandonar este deus e buscar o Verdadeiro direcione-se pela Bíblia, siga a Bíblia.

3. O Deus Salvador!

Os hebreus deviam escolher a que deus serviriam, se o deus tradicional que nada fez por eles, ou se o deus moderno, que nada fez pelos amorreus que moravam na terra.

O Deus Verdadeiro, o Deus Vivo, o Deus que deve ser servido é o Deus que fez algo pelo seu povo, os salvou, Seu Nome é Salvador. Servir a um deus que nada fez por nós e esquecer Aquele que criou, que sustenta, que salva o homem é a maior ingratidão que uma criatura pode cometer.

É preciso servir ao Senhor que é graça, que nos dá o que não merecemos (Js 24.13). É preciso servir ao Senhor que é socorro bem presente na angústia (Sl 46.1), que é a rocha da nossa salvação (Sl 95.1). Devemos servir ao Senhor que nos conhece e que penetra nossos pensamentos (Sl 139.1-2). Devemos servir ao Senhor que perdoa nossos pecados (Sl 103.3) que restaura a nossa alegria (Sl 51.12). Devemos servir ao Senhor que nos faz dormir seguros (Sl 4.8), que enquanto dormimos restaura nossa força (Sl 127.2). Devemos seguir o único caminho que nos conduz a verdadeira vida, a vida eterna (Dt 30.19).

Quem serve ao Deus Salvador tem uma vida abundante (Jo 10.10). Foi justificado do pecado e tem a paz de Deus em seu coração (Rm 5.1). Está sujeito às falhas, confessando-as tem um advogado ao seu favor (1 Jo 2.1). Que anda com Deus na comunhão do Seu Espírito Santo (Gl 5.16). Quem serve ao Deus Salvador apresenta seu corpo como sacrifício vivo em seu culto racional (Rm 12.1-2). Quem serve ao Deus Salvador ama a Deus com todas as suas forças e ao próximo como a si mesmo (Mt 22.37-39).

Devemos servir a Jesus pois é o caminho, a verdade e a vida (Jo 8.32). O caminho para quem está perdido, a verdade para quem vive uma mentira, e uma vida para quem está morto. É o Deus que está além mediante à sua natureza, mas próximo segundo a sua misericórdia. Que não é criação humana, mas o Criador dos homens. Que não é o servo, mas o Soberano, Absoluto.

Conclusão

Servir é uma ótima escolha, mas é necessário que não sirvamos a qualquer deus, apenas ao Senhor Criador e Salvador. Servir ao Senhor, o Deus Vivo, é a melhor escolha tanto para nós como para nossa família. Mas antes da consagração da família deve haver a consagração pessoal. Minha casa vai servir ao Senhor a começar por mim. Seja uma luz na escuridão, seja uma andorinha no céu, um exemplo motivador, uma vida cativante.

(*) Pr. Thiago Soares da Rochaé pastor Batista, da Igreja Batista em Purilândia, Porciúncula-RJ, Bacharel em Teologia pelo Seminário Teológico Batista do Noroeste Fluminense (STBNF), Professor de Teologia Bíblica do Antigo Testamento e Exegese do STBNF e Mestrando em Teologia do Novo Testamento pelo STBNF

Clique Aqui e Curta a nossa Página no Facebook

Leia Mais Notícias Clicando Aqui

Quentinhas Dino Santos em Itaperuna

Compartilhe esta notícia com um amigo de sua rede social







Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *